A pesquisa com fotografia no Museu Paulista: construção de banco de imagens e coleções de retratos

Conferência: A pesquisa com fotografia no Museu Paulista: construção de banco de imagens e coleções de retratos
13 de novembro de 2008 - 17h

Solange Ferraz de Lima
Museu Paulista e USP

video

Bom, boa tarde a todos. Eu agradeço muito o convite. Porto Alegre para mim mora no meu coração, porque eu tenho vários colegas aqui com quem eu compartilho o trabalho. E eu conheci a Chica, porque eu conhecia só a Cornelia, e agora eu conheço a Chica, e estou achando muito bom conhecer a Ana Luiza também que eu não conhecia ainda, então eu agradeço muito a oportunidade.

Eu ontem gostei muito de assistir a oficina e fiquei contente porque eu acho que o que eu vou trazer aqui para a discussão toca em muitos pontos do que foi tratado ontem. Eu acho que eu vou trazer aqui para a gente discutir a contrapartida que existe no mundo da web para banco de dados que vai um pouco em uma outra mão do que as instituições de pesquisa ou com os projetos comprometidos com o tratamento de acervo e a qualificação das fontes visuais vem fazendo, a exemplo do Biev e que nós tentamos também no Museu Paulista. Mas é um pouco para pensar em que contexto de web, de bancos digitais, nos estamos vivendo hoje em dia, o que torna mais desafiador ainda o nosso trabalho.

Bom, no âmbito dos temas propostos para o debate nesse evento, é oportuno refletir de modo mais abragente sobre o estatuto da fotografia no contexto dos arquivos, dos museus, bibliotecas, e de que forma ela pode ser mobilizada para a produção de conhecimento novo no campo das ciências humanas. Partindo das perspectivas da investigação social, para além das necessárias normas técnicas e protocolos de descrição, indexação, que viabilizam o acesso e a recuperação da informação, se faz necessário historicizar a própria condição e uso dos documentos fotográficos, antes e depois, isso é muito importante, da sua integração às instituições de preservação e difusão.  

Essa reflexão engloba também o lugar da fotografia nos bancos de dados eletrônicos, vinculados às ações preservacionistas e às pesquisas. Eu vou falar de um lugar, que é uma instituição visual que é um museu. Então eu vou dar um breve histórico, relembrar um pouco da fotografia nos museus de história, como ela foi sendo apropriada paulatinamente pelos pesquisadores, preocupados com a questão do imaginário, das representações. Eu estou falando desse lugar que é um museu de história. E eu vou tratar destas questões, portanto, tendo como horizonte duas categorias de bancos de dados e bancos de imagens. Os bancos institucionais, e aqueles bancos integrados a projetos de pesquisa, que tem esse compromisso ou que nascem derivados dessas ações da investigação social. A gente vê um pouco as diferenças deles, analisar junto com vocês essas diferenças.

Bom, sobre o lugar da fotografia no museu de história. De início a fotografia é valorizada exclusivamente por sua capacidade didática e ilustrativa, ou como documento que substituía a ausência eventual de textos escritos, hoje ela é explorada na qualidade de representação de temas como a cidade, a natureza, os gêneros masculino e feminino, a infância, bem como parte e suporte das formas de constituição da identidade do indivíduo. Nós vimos hoje na mesa exemplos desses trabalhos. Ao longo da sua trajetória a fotografia penetrou de maneira muito diferente nos museus de arte, de história e de antropologia, bem como nos arquivos. Dado o seu caráter híbrido e a sua quase onipresença no cotidiano das pessoas, as primeiras reivindicações de integração da fotografia no museu surgem associadas as reflexões que buscavam inserir a fotografia no campo artístico, ou seja, reconhecendo nela o estatuto de obra de arte. Movimento iniciado desde os primórdios do invento da fotografia, no século XIX essa discussão acompanha o surgimento e a trajetória da fotografia desde 1840, ele conheceu o seu ápice com a criação do departamento de fotografia do museu de arte moderna de Nova York em 1937, por iniciativa de Beaumont Newhall. O livro é um livro clássico, que é História da Fotografia do Newhall, na verdade é um livro que antes surgiu como um catálogo dessa exposição que ele organizou, fazendo uma espécie de estado da arte da fotografia naquele momento, da fotografia moderna. Ele estava associado a fotógrafos como Stieglitz,  Steichen, e conhece fotógrafos alemães também, e promove uma grande exposição em 1937, de onde surge este catálogo e que depois se transforma, numa outra edição, em livro. Então é a entrada pela porta da frente num museu de arte, da fotografia. Ou seja, é criado um departamento de fotografia, ele se torna o curador e enfim, tratando da história da fotografia muito dentro dos parâmetros da história da arte.

Se no contexto dos museus de arte a fotografia ingressou nessa qualidade de objeto valorizado por suas qualidades formais, ainda que exclusivamente associadas à autoria, bem dentro das categorias da história da arte, nos museus de antropologia e de história, a fotografia valia por sua capacidade narrativa e pelo conteúdo registrado. Por muito tempo, neste contexto, a fotografia desempenhou uma função instrumental na documentação de pesquisas de campo ou de registro catalográfico de acervos, como o caso típico do museu de história. No caso dos museus de história, muito embora as fotografias integrassem coleções e arquivos pessoais, isso vale para os arquivos também, os arquivos públicos, ela vem junto com coleções ou fundos de arquivos, junto com correspondências, diplomas, diários e demais documentos textuais, não havia a preocupação em dispensar a elas quaisquer tratamentos específicos de descrição e tampouco de conservação. Seria simplista explicar essa situação como fruto de um descaso ou da incompetência dos profissionais dos museus. Ela é fruto mesmo do estatuto que a fotografia gozava no âmbito das ciências humanas, que viam a imagem como uma expressão periférica dos fenômenos sociais, produzidos na dimensão política e econômica.

Essa é a situação corrente do uso da fotografia na primeira metado de século XX. O quadro se altera significativamente a partir do último quartel deste mesmo século, porém não sem problemas. Quando finalmente as ciências humanas se debruçaram sobre a fotografia, foi para entender a sua força indicial, associada às questões de manipulação e obliteração da "verdadeira realidade". O que hoje nós denominamos como representações, já na tentativa de relativizar o conceito monolítico de imaginário, era então visto como ideologia. Esse movimento de interesse teve início nos anos 60 quando começaram a surgir estudos voltados para os meios de comunicação de massa e para a indústria cultural. Nos anos 80, o mapeamento e descoberta de coleções fotográficas, especialmente de paisagens do século XIX, dispararam os preços da fotografia no mercado de artes e antiquariado. Esse movimento, a Denise tocou aqui no Centro de Preservação Fotográfica da Funarte, começa justamente nos anos 80, por uma iniciativa desse centro da Funarte, em fazer um grande diagnóstico das coleções fotográficas existentes, do patrimônio fotográfico brasileiro. Se tinha a idéia de que muitas dessas fotografias, do século XIX a maioria, estavam sendo vendidas para coleções no exterior, e esse diagnostico era uma tentativa de afinal se conhecer esse patrimônio. Esse trabalho contou com a participação pioneira do Sérgio Burke que naquela época estava associado a este Centro de Conservação e Preservação Fotográfica e foi um incentivo para que as instituições, museus, arquivos, começassem a ter ferramentas de tratamento, principalmente de conservação para as suas coleções e reconhecer o valor como patrimônio, como patrimônio brasileiro.

No esteio deste movimento, tem um encontro que é marcante, que foi feito no MIS em 1981, quando o Boris Kossoy era diretor do MIS, que reúne muitos destes curadores e instituições discutindo essa situação do patrimônio fotográfico brasileiro. E no esteio disso, ao longo dos anos 80, o que nós assistimos é uma produção de catálogos, um incremento editorial como álbuns faximilares, catálogos de muitas... uma publicação institucional mesmo, catálogos de muitas instituições que começam portanto a divulgar esse patrimônio "recem descoberto", que começa a ter uma atenção diferenciada. E se investe também na construção de uma história nacional e internacional da fotografia, mas essa história que é produzida, ela é uma história da fotografia ainda muito pautada nas categorias da história da arte. Então procurando identificar, inventores, os autores principais de cada movimento, seguindo, trabalhando com estas noções de obra, autoria e trajetória, bem próprios da história da arte.

A partir dos anos 90, o interesse de historiadores, antropólogos e sociólogos pela fotografia se vê bem alargado. Confluem os usos sociais e científicos que a fotografia vinha recebendo, com os novos paradigmas das ciências humanas, que colocaram a dimensão visual e material da sociedade de consumo ocidental no centro das reflexões epistemológicas. Novas histórias da fotografia começaram a ser escritas, de um ponto de vista que procura entender o como e seus efeitos, naqueles que produzem e naqueles que fruem a imagem. Tratava-se, portanto, agora de entender o papel social da fotografia no contexto de uma cultura visual contemporânea. Esse movimento todo, ele de alguma maneira está associado à esse preocupação, à crise da memória que o Charles fez referiencia hoje, mas que ao mesmo tempo sucita uma busca incessante, uma febre por memórias também, tocou diretamente num outro movimento que acontece entre historiadores, que é a formação de Centros de Memória, ou arquivos vinculados às empresas privadas, não só as instituições públicas, mas as empresas privadas também.

videoAlinhar ao centro

Essa formação de Centros de Memória, Museus e Arquivos Institucionais que se voltam para a salvaguarda de fontes materiais e visuais, e sua transformação em patrimônio cultural acontece, de uma certa maneira, valorizando muito mais a fotografia do que os outros acervos. Isso é um dado. Muitas empresas começam, no final dos anos 80, a contratar empresas de história - isso aconteceu muito em São Paulo, não sei se aqui em Porto Alegre também acontece - para fazer a história empresarial. Mas quando se propõe esse centro, muitas vezes o empresario ou o dono da industria, que quer fazer a sua história, e construir a sua memória, que na verdade significa firmar a sua identidade naquele presente, não quer tratar dos arquivos administrativos. Eles querem só a coleção fotográfica, que é mais ou menos o Chantilly, começa aei um processo muito problemático, de desvinculação muitas vezes das fotografias de seus arquivos ou fundos administrativos. Isso foi um movimento que nós assistimos também no esteio dessa valorização da fotografia.

A inserção do suporte fotográfico como quadro de preocupação dos profissionais envolvidos com a guarda e tratamento documental de acervos institucionais, sejam eles privados ou públicos, é hoje um fato inegável. No entanto, o reconhecimento da existência de massas documentais de natureza fotográfica, não vem sempre acompanhado do domínio, ainda que mínimo, daquelas noções conceituais e técnicas, capazes de garantir a integridade desses acervos. 

A fotografia deve ser entendida sempre como um documento pertencente a um conjunto maior e não necessariamente esse conjunto maior é exclusivamente fotográfico. Isso quer dizer que o seu potencial polissêmico não deve ser comprometido por ações descontextualizadoras, que muitas vezes acabam acontecendo neste centros. Separa-se, tira-se as fotografias às vezes de processos administrativos, de missões fotográficas, para se constituir alguma coisa baseada em critérios exclusivamente estéticos e associado um pouco a essa idéia de suporte de memória.

As fotografias, especialmente as ditas "antigas" guardam um fascínio que não poucas vezes serve de armadilha para os envolvidos com as atividades técnicas de conservação, restauração, organização física e catalogação. O valor estético, a raridade do tema, ou do processo técnico envolvido no processo fotográfico, aliados ao valor de antiguidade, criam em torno destas imagens uma aura, que ofusca a dimensao biográfica característica de todo documento. Com isso, fica-se tentado a ver o objeto fotográfico como autônomo, uma jóia rara, capaz de nos trazer de volta o tempo passado, como se esse fosse algo que estivesse ao alcance das mãos dos especialistas que para resga-los, bastaria reconstituir a integridade física do objeto fotográfico. Quando a fotografia é redusida à sua pura materialidade e conteúdo visual, ela se torna um fetiche, e os fetiches são objetos aos quais nós outorgamos um poder inerente. Ao ser deslocado da rede de relações sociais do qual ele é produto, esse objeto fetiche, ele perde a sua historicidade, torna-se autonomo, e passa a ter, como atributo próprio, os sentidos e as qualidades simbólicas que na verdade a sociedade um dia a ele conferiu.

A fotografia então, se a gente pensar nas suas várias dimensões, como um documento de arquivo, ou seja, produto de ações que visam o cumprimento de uma atividade, seja ela de natureza pública ou privada, ela é geralmente associada a documentos textuais e tridimensionais os mais diversos. Entnao pensem no acervo de uma secretaria de obras, nunca é só fotografia ou uma coleção fotográfica, mas está associado a processos, a uma série de outros documentos também. Contextualizar a fotografia significa manter o seu lugar de procediencia no quadro documental, refletindo a atividade que a produziu. Isso pensando a fotografia como um documento de arquivo.

Como documento de coleção, e aqui isso nos interessa particularmente, a fotografia é fruto de uma iniciativa pré-concebida, que visa a acumulação de um tipo de imagem, segundo critérios próprios da atividade colecionista. A fotografia de coleção também possui um contexto que é aquele estabelecido pelas práticas do colecionismo, aqui também tanto o privado como o institucional. Colecionar é uma prática que retira o objeto de um contexto para introduzi-lo em outro, agora regido por regras definidas por seu proprietário. Então pensem isso, tanto no colecionismo privado né... tem alguém aqui que coleciona? Então, você  retira e começa a montar sua coleção que tem critérios, tem pessoas que só colecionam cartões postais de meios de transporte, tem pessoas que colecionam coisas verdes, enfim... tem coleções... eu trabalho no museu, convivo com colecionadores, colecionam rótulos, aí só rótulos de produtos nacionais, isso são critérios que o colecionador estabelece. Nós podemos pensar um museu como uma instituição visual, como um grande colecionador também. Quando nós recebemos essas coleções privadas, o que acontece é uma transcendência do espaço privado para um espaço público, e nesse novo espaço, que é o museu, o grande colecionador, existem também políticas de acervo, regras, critérios, que o curador estabelece. A preocupação maior, quando se trata dessa fotografia de coleção, que é diferente do documento de arquivo, que tem lá uma acumulação chamada orgânica, é que muitas vezes, a instituição sobrepõe a esse arranjo inicial do colecionador, dado por ele, os interesses insititucionais e desmancha, ou se perdem as pistas do que era a organicidade dessa coleção primeira. Então quer dizer, acho que o grande desafio do curador começa por aí, conseguir trabalhar os critérios de sua instituição, sem contudo que isso aconteça em detrimento daquela biografia, daquela história que a coleção traz. Porque acho que é tão importante isso ao longo dos anos de trabalho meu e da Vânia recebendo coleções no museu paulista, isso foi se tornando uma questão cada vez mais importante. O ato de doar uma coleção, ele é tão importante quanto os objetos, esse sujeito, porque é a coisa mais comum num museu as pessoas chegarem com meia dúzia de documentos, é um diploma, um passaporte, um álbum de família e ele selecionou aquilo do seu universo doméstico, para fazer essa transcendência, por alguma razão, ou é uma homenagem à família, ou a seu pai. É uma maneira de tornar público uma parte da memória, da vida dele e nós não podemos perder essa procedência e temos que documentar, portanto, não só o objeto que chega, mas como ele chega. Quais são as motivações que fizeram com que aquele doador, que se torna o doador de uma coleção para nós, quais são as suas motivações? Porque ele escolheu esses objetos para pertencer ao museu? Quer dizer, isso para nós é tão importante quanto, e a responsabilidade é muito grande, porque ele está nos dando isso para que a gente continue cuidando de alguma maneira. Por isso que eu falo dessa biografia, sai de uma coleção, sai de um lugar, de um espaço, e vai integrar uma outra, como coleção também né, nesse museu como um grande colecionador.

Daí a importância dos curadores deixarem muito claros os critérios de coleta que norteiam a formação de seus acervos. Estes devem estar afinados com as questões colocadas nas áreas de pesquisa da instituição. Como um produto da sociedade, no seu sentido mais amplo, a fotografia não é nem sequer uma imagem, mas ela é um artefato, que só pode ser compreendido em sua dimensão histórica. Isso significa acompanhar a trajetória do objeto fotográfico, essa chamada biografia, para que possamos então entende-la como produto e também como agente de práticas culturais. No entanto, a biografia do objeto-documento, não deve destruir a biografia do sujeito da coleção, isso que eu estava me referindo a pouco. As diversas situações em que o objeto deve ser estudado não podem implicar a sua retirada do conjunto do qual faz parte, já que este conjunto é também fruto de uma prática cultural de natureza biográfica.

Tendo isso como pressuposto no qual eu acredito e nós praticamos no museu paulista, eu queria analisar com vocês um pouco a existência dos bancos de dados eletrônicos e o que significa esse contexto de descontextualização, na verdade, que toda essa valorização da fotografia trouxe também, quer dizer, o outro lado da moeda.

Se nos anos 80 assistimos ao movimento inicial de preservação de acervos públicos e a sua difusão editorial, e nos anos 90 este movimento começa a dar seus primeiros frutos acadiemicos. No novo século são os bancos de dados que aparecem como potencial para alterar significa e definitivamente a nossa relaçnao com as imagens visuais em geral, em particular com as fotografias. As formas de colecionismo digiral e seus modos de difusão guardam alguns problemas que já existiam antes da história da fotografia, dentro do quadro de formação da cultura fotográfica contemporânea. Na condição de historiadoras e curadoras voltadas para os problemas da visualidade, com projetos de curadoria e pesquisa desenvolvidos, que eu tenho desenvolvido junto com a Vânia Carneiro de Carvalho, nos defendemos a necessária ampliação dos usos de um banco de dados, não só para alimentar e sucitar pesquisas que envolvem series documentais maciças, como e principalmente, ser um repositário dos resultados dessas pesquisas de modo a garantir a qualificação permanente de fontes e suas trajetórias depois de integradas e apropriadas por pesquisadores e cientistas sociais. essa relação solidária, e nós num artigo, nos Anais do Museu Histórico Nacional de 2000, nós tratamos exatamente disso, quer dizer, uma defesa para uma relação solidária entre a curadoria e a pesquisa, e a Zita tratou disso no começo, essa necessidade do retorno, quer dizer, o pesquisador faz alguma coisa, seria importante que ele retornasse esses resultados, porque nem sempre o curador tem o domínio total de todas as suas coleções, ou a comrpeensão de todos os temas que estão sendo tratados ali. Na medida em que ele atende e pode disponibilizar para os pesquisadores este acervo, o melhor seria que estas pesquisas produzidas pudessem se integrar, e o banco de dados é um espaço para isso, a vida, a biografia desse documento depois de integrado a um acervo institucional.

Esse seria, nos parece, o caminho mais profícuo ara promover um olhar crítico em relação a abundância de imagens transferidas para o meio digital, circulados na web, na maioria das vezes de modo descontextualizado. Com o intuito de tornar essa problemática mais concreta, proponho aqui então uma análise rápida, bem exemplar do que seriam esses bancos de dados.

video

A ferramenta de busca mais comum aos bancos de imagens, que todos aqui já fizeram uso, é esse descritor ou a palavra-chave. Essa é uma poderosa ferramenta de recuperação da informação visual, que privilegia o conteúdo visual e temático em detrimento de outros aspectos do documento visual. Especialmente no caso do documento fotográfico, cujos exemplos eu pretendo aqui analisar. Ao privilegiar o conteúdo temático essa ferramenta promove uma perigosa descontextualização, que acontece em níveis distintos, desde o deslocamento da fotografia de suas condições de produção, até dos contextos de uso, passando pelo apagamento de séries, missões fotográficas, coleções e arquivos aos quais as fotografias foram ou estão implicados.

video

A contrapartida dessa tipologia de banco de imagens, são os bancos que nasceram associados à projetos de pesquisa, ou aqueles vinculados a instituições vocacionadas e comprometidas com a pesquisa, e que tem condições de incrementar seus catálogos digitais com os resultados dessa pesquisa. Trata-se de um caminho alternativo, com poucos e promissores exemplos, mas tem um lado meio utópico, que a gente esbarra com vários problemas também.

video

Para a gente começar com esse estudo de caso aqui, eu queria só mencionar de onde me veio um pouco a idéia de fazer esse balanço de banco de dados, até em função... nós estamos na mesma situação hoje que o Biev, de transferência para uma base de software livre. A gente vai trabalhar com o MySQL e vai significar fazer tudo de novo, tem um amigo meu fotógrafo que trabalha no mundo digital, quando nós fotografamos a coleção Militão Augusto de Azevedo, 12 mil e poucos retratos em 1996, o arquivo salvo foi em bmp. Jpeg já existia, mas não para pobres mortais do terceiro mundo, a gente consegui salvar em bmp. Isso significa que hoje nós vamos ter que redigitalizar todo esse acervo. A sorte é que na época nós fomos conservadores e temos o cromo de todo esse material, então não precisaremos voltar aos originais, que estão lá preservados. Mas é um pouco o preço que se paga quando você se arrisca nessa seara e lida com essa obsolescência programada, que é o mundo hoje em dia da informática. Mas enfim, faz parte, ossos do ofício, vamos lá, vamos fazer tudo novamente, não tem problema nenhum, não vamos desistir.

Mas, por conta disso, então a gente tem sempre olhado os bancos, os similares, os mais diveros, e tem um artigo muito interessante de uma arquivista australiana chamda Joanna Sassoon, e esse artigo está num livro da Elizabeth Edwards sobre a materialidade dos objetos fotográficos, e o título do artigo é "photographic materiality in the age of digital reproduction", e ela faz aqui uma brincadeira, porque ela dialoga o tempo todo com o texto do Walter Benjamin "A fotografia na era da reprodutibilidade técnica", então ela vai justamente tratar da mesma questão, ela começa dialogando com o Benjamin, para falar do que acontece hoje quando a fotografia passa a integrar esse mundo digital.

videoAlinhar ao centro

E a sua crítica é uma crítica muito contundente no que se refere a essa descontextualização, e ela chama a atenção para o processo crescente de comodificação ou de mercantilização da imagem né e que a gente sente em vários níveis, não só na questão dos direitos autorais, o que você tem que pagar, até quanto custam as coleções hoje, e quem pode comprar as coleções. É um problema político, estamos tratando disso, gerenciamento de informação, e quem tem poder para deter acervos e a informação sobre esses acervos.

video